Virtual Politik
Rosa Luxemburgo

 

Rosa nasceu em 05 de março de 1871, na Polônia

 

 

Neste Sítio

 

virtual.brave/politik_1

virtual.brave/chanceler

virtual.brave/da_floresta

virtual.brave/republica

virtual.brave/politica

virtual.brave/lula_jango

virtual.brave/partidos

virtual.brave/civico

virtual.brave/assessores

virtual.brave/a_unidade

 

 

Da Cultura

 

virtual.brave/patrimonio

virtual.brave/diretoria

virtual.brave/contas

virtual.brave/da_cultura

 

 

ESPECTROS DE MARX

Tribuna de Petrópolis

18 de Outubro de 2001

Jacques Derrida comenta de forma irônica as tentativas de driblar e ocultar os Espectros de Marx, que insistem em retornar e reaparecer ao final do séc. XX. Como o espectro do Rei Hamlet shakespeariano, que insiste em reaparecer aos seus soldados e a seu filho depois de sacrificado, enquanto seu enterro e o novo casamento da Rainha com o usurpador são feitos às pressas, as tentativas de enterrar o Karl Marx físico, individual, o autor simplesmente, apenas denotam o pavor diante do retorno infalível da teses marxistas e daqueles espectros de seu pensamento que pertencem, não a ele, o autor, mas à história social do Ocidente.

Os Espectros de Marx são aquelas modalidades de seu pensamento que pertencem ao tecido social no qual o pensador buscou se inserir analiticamente em seu tempo. Exatamente pela força de sua inserção, estes espectros estão se atualizando novamente em nosso tempo, através do tecido social. É o mesmo que dizer que, mesmo que alguns dos pensadores marxistas não existissem, estas idéias estariam presentes, porque pertencem de fato ao sistema e ao sentido em que está organizada a civilização do Ocidente desde a Revolução Francesa.

As definições de Divisão Social do Trabalho e Modo de Produção utilizadas por Marx são tão úteis e operacionais em 1850 quanto são em 2001. Desconhecer Marx como cientista social é o mesmo que desconhecer cada uma das diversas etapas em que o Ocidente desenvolveu seu Pensamento e seu auto-reconhecimento. Marx é um dos pensadores enraizados na cultura do Esclarecimento ou Aufklärung setecentista, cuja ambição maior era compreender, interpretar, analisar, o mundo, ou a sociedade, com alguma autonomia filosófica livre dos dogmas conceituais históricos.

A idéia de Ciência Social neste caso, não é uma idéia de verdade última ou conhecimento final sobre o que está acontecendo na Sociedade, mas de interpretação e conhecimento o mais objetivos possíveis, com o “despossuimento” da pessoa e dos dogmas individuais diante de um cenário que se pretende compreender. O caráter de construtivismo e de estruturalismo em Marx é o mais importante: a possiblidade de uma interpretação que se renova e que pode sempre abranger mais, formulando-se, assim, uma tradição de conhecimento. Marx fazia a análise e a síntese constantes de dezenas de pensadores socialistas e anarquistas de seu tempo.

Com seu papel contemporâneo de ditar os rumos da Cultura, a imprensa tem decretado ultimamente o “fim do Marxismo”, ou que “Marx não deu certo” como se o grande autor fosse um pensador voluntarioso (de acordo, exatamente, com o caráter subjetivista e voluntarioso como o pensamento social pequeno-burguês vê seus autores na realidade). Marx nos dá a lição, como todos os outros pensadores da tradição ocidental, de enraizamento na experiência social, empirismo e análise conjugadas. Num segundo momento de seu percurso Marx se torna também ativista, conforme o famoso lema “Os filósofos até agora interpretaram o mundo, é preciso doravante transformá-lo”. E isto é consequência da segurança obtida com as interpretações históricas feitas por ele e seus contemporâneos.

Marx, é claro, não deu receitas do “bem governar”, como Maquiavelli... A segunda grande preguiça mental do comentário jornalístico habitual é identificar o Marxismo com o regime soviético. Isto, é claro, em parte induzido pela necessidade de se identificar ideologicamente com um dos “dois lados” da confrontação Ocidente–URSS. As agências de notícias internacionais pró-ocidente são altamente monopolizadoras e concentradoras da informação, “matando” as versões diferenciais. As condições da política e da sociedade na América Latina, definitivamente, nada têm a ver com a “Queda do Muro de Berlim”. Inclusive, nos anos 60, os golpes de estado pró-EUA vieram exatamente num momento em que algumas nações da América Latina estavam tentando sair do dualismo da Guerra Fria.

Marx faz a análise da função das classes trabalhadoras dentro do Capitalismo, e desenvolve uma tese sobre seu possível desempenho na mudança da sociedade burguesa. Isto é a análise do desenho dinâmico de uma sociedade. De forma alguma,  uma receita de como se tomar o poder do Estado, e muito menos de como governar. O episódio da Revolução bolchevique, e toda a política leninista, é apenas uma versão possível dos fatos, assim como a política de outras lideranças revolucionárias, socialistas, comunistas, etc, em várias nações ao longo do tempo. É possível se inspirar nas análises e nas teses marxistas, assim como pode-se inspirar nas diversas leituras históricas, mas não é possível se responsabilizar uma leitura pelas condições políticas de uma sociedade. Se Marx houvesse atravessado vivo o séc. XX, provavelmente teria mudado de opinião sobre nossos Estados constituídos, assim como nós outros mudamos de opinião.

Já uma nova preguiça mental é dizer que “a Revolução Francesa deu certo”, ou que “O Capitalismo” ou os “Estados Unidos” deram certo, ou que a “URSS não deu certo”... Fica claro que depois da Revolução Francesa veio Napoleão, e que a Revolução de 1789 foi refeita e desfeita várias vezes, sendo portanto um processo histórico: E isso, exatamente, como os processos históricos analisados por Marx. Uma nova República, ou um regime socialista, não se instauram só pelo ato formal de instauração ou revolução. São atos que resultam de uma maturação de possibilidades ao longo de períodos.

Quanto aos Estados Unidos, ou o Capitalismo, dizer que “deram certo”, é muito difícil, no momento em que estas instâncias ameaçam a existência física do planeta (a equação: mais-valia igual a crescimento do PIB igual a Efeito Estufa). E a União Soviética, que teve seu fechado regime político desconstruído, resultou de um processo estatal concentrado, que levou uma nação camponesa à liderança no campo científico, tecnológico, industrial e militar: se é que isto significa “dar certo”!

C. M. Barroso