Virtual Politik

 

 

 

Neste Sítio

 

virtualpolitik.bravehost

virtual.brave/espectros

virtual.brave/chanceler

virtual.brave/da_floresta

virtual.brave/politica

virtual.brave/lula_jango

virtual.brave/partidos

virtual.brave/assessores

virtual.brave/republica

virtual.brave/a_unidade

 

 

Da Cultura

 

virtual.brave/patrimonio

virtual.brave/diretoria

virtual.brave/da_cultura

virtual.brave/contas

 

 

 

 

 

Lamban$sa na Convenção do PDT Municipal em 2008

 

No mesmo Clube Bogari em que no início da campanha eleitoral de 2000 o Brizola havia tomado pela mão o Vereador Pedetista candidato a Prefeito, consagrando seu nome...****

 

 

 

 

Do Cívico, do Social, da Sociabilidade

Diário de Petrópolis

11 de julho de 2008

O período de quase democratização republicana que se seguiu na sociedade brasileira a partir dos anos 80 deu nascimento a esta política que a fala comum passou a denominar de “fisiologismo”, um termo que não deixa de sugerir um quê de inocência e desprendimento... É injusto se pensar que os políticos são “iguais sempre”. O período de desenvolto fisiologismo dos anos 80 (hegemonia do PMDB, PFL, PTB, PL) não teve precedentes no país em termos das contabilidades partidárias não contabilizadas, organização solidária de colegas para a ocupação das máquinas governamentais através do processo eleitoral, e uso de propaganda sofisticada e truques de marketing para a obtenção da graça eleitoral.

É desse período a imagem do político “oficial”, que tem as vitrines externas cheias de brilho artificial, mas nos fundos de copa-e-cozinha o que ocorre é a “baixaria”. Por comparação, os políticos do coronelismo dos anos 20, e os políticos populares-populistas dos anos 55-64, se expunham mais à sociedade com seus rostos verdadeiros.

Foi nessa sequência que nossos partidos deixaram de representar as correntes da sociedade brasileira, e passaram a ser meramente, mas de forma retumbante, máquinas eleitorais. Aos indefesos eleitores passou-se a induzir o raciocínio de que “tudo que eles querem é o poder”, e os “políticos são todos iguais porisso”... Claro, isto como consequência dos meios de comunicação martelarem a mente dos cidadãos com a idéia de que estar no governo é “estar no poder”. Aquilo que mais se odeia, e mais se acusa, é aquilo que mais se quer, “o poder”, o que por outra via, justifica tudo.

Pergunta-se: quem está no “poder” no Palácio do Planalto? Lula? A burguesia? A Petrobrás? A classe trabalhadora? (Os “bolcheviques”, como quer o Jabour?) Ou os Bancos? O capitalismo especulativo internacional??

Entretanto, caro leitor, este período de “desprendimento” dos políticos dos anos 80 já é coisa do passado. Temos agora o político tipo “máfia”, sem aspas. A nova geração dos politicos brasileiros tem horizontes ilimitados de arroubo e audácia para a coleta de fundos “não contabilizados”, que se tornam finalidades muito mais que “utilitárias” das máquinas fisiológicas, se tornando dourados e refulgentes símbolos de “poder”...

Seus seguidores não são apenas uma claque de correligionários ansiosos por nomeações. Agora são guardas de “honra” armados e do ramo mais treinado nas instituições policiais, prontos para neutralizar ou intimidar qualquer oponente, que seja meramente verbal. Seus colegas não são apenas partidários somando doações benevolentes, mas “laranjas” que passam a colaborar na administração de redes de empresas e fundos fabulosos que se perdem de vista. O suborno, e o grampeamento de telefones de colegas e adversários com mesas de escuta, se tornam práticas comuns. A Casa de Governo, enfim, é uma reunião doméstica comandada pelo chefe, com todos aqueles que são seus seguidores fiéis, “amigos leais do chefe”...

Os chefões eleitorais-partidários se vêem como heróis de confrarias secretas auto-celebradas pertencentes a filmes hollywoodianos... Desenvolvem todos os “desempenhos” do ator cara-limpa, que discorre sobre coisas simples e comuns, que diz que cuida do povo, que diz que “está tudo bem”, quando toda a cena moral se desmorona em volta. Tenha-se como referência o eleitoralmente vitorioso ex-governador dos campos goytacazes, que permanecia na rádio evangélica declarando o quanto era temente ao “Senhor”, na mesma sequência em que comandava esquemas escabrosos com o seu Chefe de Polícia Civil – segundo o que foi apurado pelo Ministério Público e Polícia Federal.

Este novo regime yuppie-cruel está instalado em todo Brasil, a níveis federais, estaduais, municipais. Em Petrópolis, as lesões ao estado civil e a agressão à sociabilidade envolvendo a classe política são neste ano eleitoral de responsabilidade máxima do atual ocupante do Palácio Fadel. Trata-se neste ano não apenas de novas decisões eleitorais, mas de uma necessária cruzada para se restaurar a ética na política municipal.

 

comentário 2014

Em 2008, o Grande Prefeito estava ao final de seu segundo mandato. Ele e o Pinguim Dourado ofereceram gorda propina ao Lôbo Lupi para que este ordenasse a intervenção no Diretório local do PDT, para afastar os antigos brizolistas. E eles tudo fizeram atropeladamente, tomando a sede do PDT com capangas e criados, nos acusando de "inoperância", fazendo uso da Renata-16 como “Presidenta Interventora” (“olha que meu marido luta karatê, hein, eu estou ligando para ele no meu celular”)...

O Pinguim Dourado se mantinha na sombra, para ser o candidato a Vice-Presidente na próxima eleição do Diretório. As luvas da intervenção foram de 450 mil, com 50 mil mensais até as eleições.

Aconteceu que alguns rapazes sindicalistas da Petrobrás (aparentemente inspirados pelos brizolistas do Rio) conseguiram se incluir no grupo a ser votado para chapa dos interventores, a ser legitimado nas próximas eleições do Diretório.* Eles não conseguiram “chapa única” na votação, porque os pedetistas, liderados pela nobre figura do ex-presidente brizolista, organizaram uma “chapa de resistência”... No dia da apresentação das chapas, no casarão em cima da antiga pizzaria Don Corleone, o líder dos sindicalistas audaciosamente anunciou sua inclusão em nossa chapa...!

Foi o caos: o “mestre” Ivo (propinado do Arlequim Dourado, que era então o Presidente da Fundação de Cultura) avisou ao abnegado ex-presidente brizolista: “cuidado, nós somos um tipo de comando vermelho...” Vários rapazes nervosos dos dois lados com armas nas cintas. Ao final, para advertir os dissidentes sindicais petroleiros, foi chamado o guarda de segurança de Don Corleone, Sargento Sangonçalo... A ação habitual do Sangonçalo era apontar sua pesada arma ao desafeto, dando-lhe obscena intimação... O que ele acabou fazendo depois, em três oportunidades, durante a campanha eleitoral, contra o seu agora ex-Chefe e adversário: duas vezes no camarote eleitoral por diferenças com os subordinados; e uma dentro do Gabinete do Alcaide, que por sorte não esteve presente na ocorrência policial...**

 

* Os sindicalistas agiam como célula com tipo de orientação marxista-leninista. Pode ser que fossem aliados antigos dos brizolistas do Rio, o que não ficou claro; e ainda qual o acordo que teriam com o Lôbo Lupi.

** O Alcaide tinha dívidas e negócios inenarráveis com seu ex-segurança. A partir daqui podemos poupar o leitor de maiores detalhes, exceto para concluir que nem um pingo dourado desses fatos *** saiu na “mídia” local - com a exceção da valorosa inclusão deste artigo pelo Diário de Petrópolis.

*** Incluindo-se o aparato mafioso de Don Pinguim Arlequim Dourado na Convenção, no Bogari, em junho de 2008, com seus guardas-malas e aparelho de escuta telefônica dos colegas (aparelho apontado por um de seus asseclas, e delicadamente mencionado pelo Sargento Gonçalo).

**** Brizola ergueu a mão do candidato a Prefeito na Convenção do PDT em 2000 no clube Bogari [ou Palmeira??].